O método Blitzscaling a favor do crescimento da Atlas 

Publicado por Atlas Technologies em

Sem dúvidas, um dos principais fatores responsáveis pelo crescimento acelerado da Atlas é o modelo de gestão baseado no método Blitzscaling. Para você ter uma ideia, esse é o mesmo método que impulsionou o crescimento exponencial de empresas como Amazon, LinkedIn, Waze, Netflix e Airbnb.

Criado por Reid Hoffman, fundador do LinkedIn, o modelo Blitzscalig, traduzido para o português, significa algo como “escalada relâmpago”. O termo foi escolhido por Reid a partir de uma derivação de “Blitzkrieg” (ataque relâmpago), que foi uma conhecida tática militar adotada pelo exército alemão na Segunda Guerra, que possibilitou que a Alemanha conquistasse grande parte do território Europeu.

Embora a origem do nome não tenha um cunho nada positivo, o método criado por Hoff-man tomou como base a tática bem planejada do exército: levar para o ataque somente o que fosse extremamente necessário, o que propiciou aos soldados maior mobilidade e velocidade, além de tomadas de decisões mais ágeis e de alto risco.

E o que isso significa, na prática?

Uma empresa que adota o método Blitzscaling sai do campo da experimentação para partir para a ação. Não há espaço, portanto, e nem tempo, para testar o que funciona ou não, já que o método objetiva sempre colocar seu foco “no lugar certo e nos problemas certos”.

Como o Blitzscaling é aplicado nas empresas?

O fundador do Blitzscaling desenvolveu 5 estágios para esse método, denominadas da seguinte forma: família, tribo, vila, cidade e nação. Cada estágio compreende diferentes focos e problemas para serem resolvidos. 

O primeiro estágio (família), é onde tudo começa. Ele serve para definir o negócio – por isso o seu foco é destinado ao produto ou serviço da empresa. Esse é o momento de pensar se o serviço proposto é realmente necessário e como torná-lo atrativo para os futuros clientes. A gestão também precisa ser enxuta para evitar gastos, por isso é melhor começar contratando poucos funcionários.

O estágio tribo é quando o crescimento começa a acontecer – e ele precisa ser rápido. Para isso, já é fundamental que a empresa tenha certa segurança financeira. Aqui, é preciso velocidade para a tomada de decisões.

Na fase vila é preciso concentrar os esforços para formar a melhor equipe de trabalho possível. Para isso, o gestor deverá se perguntar se as pessoas que o acompanharam até o momento são capazes de suportar o salto de crescimento que seguirá – portanto, é aqui que alterações na equipe poderão acontecer. 

Na penúltima etapa (cidade) a empresa já tem um corpo de colaboradores bem delimitado. Por isso, esse é o momento de criar mecanismos de controle dos indicadores. Nessa fase é importante que a empresa já conte com mais de um produto ou serviço, expandindo a fonte de receita.

Por fim, no último estágio, chamado nação, o maior desafio é manter a comunicação bem alinhada, mesmo que haja colaboradores em outros lugares do mundo. O CEO da empresa também ganha importantes funções: ele precisa dar mais autonomia aos gestores e perpetuar a cultura da empresa, a fim de que ela seja difundida com todos.

O Blitzscaling impulsionou o crescimento da Atlas

A Atlas percebeu que, para dominar o mercado, seria necessário agir com velocidade. Isso porque, o maior inimigo de um negócio bem-sucedido e em crescimento é mover-se devagar, abrindo espaços para que seus concorrentes passem cada vez mais a frente.

Por isso o método Blitzscaling foi decisivo para que a Atlas chegasse onde chegou. A empresa passou a focar no que realmente era necessário, sem desperdiçar tempo com outras questões que poderiam ser resolvidas em um segundo momento. O resultado não poderia ser outro: uma empresa em constante crescimento – o que é e crucial em um mercado que muda em um ritmo cada vez mais acelerado.


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *