Mês da Consciência Negra e a importância de pertencer

Publicado por Atlas Technologies em

No dia 20 de Novembro é celebrado no Brasil o Dia da Consciência Negra. Essa data tão importante tem por inspiração o dia da morte de Zumbi dos Palmares, considerado um símbolo de resistência e luta na época da escravocrata brasileira. Essa data foi instituída oficialmente através da Lei 12.519/2011. 

Mas a relevância dessa data é ainda maior quando traz à luz questões sobre racismo, desigualdade e a importância de projetos de inclusão que ajudam a inserir a comunidade negra de uma forma mais igualitária e justa na sociedade brasileira.

Apesar de ser uma data amplamente divulgada no Brasil, e das conquistas em relação à diversidade, os desafios da comunidade negra são diários e intensos. A luta contra o preconceito e o racismo são, infelizmente, rotina. Além do preconceito, existe uma desvalorização enorme de pessoa negras, seja em relação à salários, oportunidades de emprego e principalmente em representatividade.

A batalha para terem seus potenciais reconhecidos e suas demandas representadas é uma dura realidade da comunidade negra no Brasil, que precisa enfrentar o menosprezo de uma sociedade preconceituosa e intolerante.

Representatividade na Cultura Pop

Mas não podemos reduzir essa data a apenas lutas e dores. É importante mostrar que, mesmo a pequenos passos, existem movimentos de valorização e apreciação da cultura negra e que, aos poucos, pessoas negras passam a se reconhecer e identificar com personalidades da cultura pop e da internet.

Com o sucesso de grandes produções como ‘Pantera Negra‘ e o live-action de ‘A Pequena Sereia‘, que conta com uma Ariel negra, crianças negras e adultos também conseguiram enxergar a si mesmo em seus heróis. Houve uma mudança na narrativa de personagens, onde antes eram marcados apenas por dor e ausência, agora são repletos de potenciais, de realizações e, ainda mais importante, de protagonismo.

O que acontece com ‘Pantera Negra‘ é que, pela primeira vez, para muitas pessoas negras, acontece uma real identificação com o personagem. E essa identificação tem um peso enorme na formação de jovens crianças, pois demonstra que elas pertencem e que há a possibilidade de elas se tornarem heróis tão incríveis quanto os que assistem.

Ser um agente ativo na transformação que queremos ver

Aqui na Atlas abrimos a conversa sobre representatividade da comunidade preta durante todo o mês de novembro. O mimo do mês foi pensado em conjunto com a TAG Livros, para contar uma história de protagonismo negro. Tivemos Talks para refletir sobre a data, iniciando com o tema de Branquitude, com Karine Szuchman, e encerramos com um super depoimento de Felipe de Morais, com a Talk Desenvolvedor Preto de Sucesso. Nessa Talk aprendemos mais sobre o projeto AproPhyton, que dá oportunidade de inclusão e ascensão profissional, gerando empoderamento de pessoas negras na área da tecnologia da informação.   

Além disso, lançamos oficialmente a nossa Universidade Corporativa – Projeto Empreedev Sueli Carneiro, que tem por objetivo atrair, desenvolver e dar novas oportunidades a mulheres e pessoas negras brasileiras, disponibilizando 200 vagas para o treinamento de novos desenvolvedores.

Para nós da Atlas, é muito importante promover a diversidade e a inclusão, adotando uma postura ativa, sempre ouvindo e trabalhando em projetos e oportunidades com potencial de transformação, não apenas dentro da empresa, mas na comunidade como um todo.

Vem ser Atlas!


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *